pelos muros mundo afora

13nov07

Não se sabe quem é (ou são) Banksy. O mercado de celebridades, sedento, especula que seja um rapaz de Bristol (UK), 30 e poucos anos e aposta num nome, que não vem ao caso. Parece ser difícil, para alguns, lidar com uma profusão imagética tão provocativa e sensível espalhada pelos muros da(s) cidade(s), que invade museus e até zoológicos* (!)… não há um rosto a ser apropriado, replicado à exaustão…

Reza a lenda que os primeiros graffitis assinados por Banksy datam de 2001, em Bristol. Sua técnica? Em um dos 3 livros auto-publicados recheados de fotos de seus graffitis, o moço revela que teve uma péssima experiência com a polícia londrina e logo percebeu que precisava ser mais veloz: daí, o stencil.

As imagens de todo tamanho interagem com a cidade e seus moradores, escancaram contradições e hipocrisias, desanuviam os olhares. Simples e direto – sem falar no aguçado senso de humor – ele mira do consumismo à guerra, da destruição ambiental à opressão em nome da “liberdade”, da fome aos gordinhos subnutridos. Sabe que tudo está interligado.

A cidade, ocupada por inúmeras “bombas mentais”, dialoga com quem passa, provoca, por vezes clama que façamos o mesmo: resgatemos este espaço público, coletivo, de lazer e reivindicação. Nossas cidades encontram-se degradadas, excludentes, retalhadas em grades, muros e vidros fechados, abarrotadas de máquinas a motor que nem tanto andam, nem deixam respirar.

E a grande questão que se nos coloca é: não “é assim mesmo”. Não tem que ser. Sim, claro, há outras possibilidades e explicações e maneiras de ser e atuar. É preciso fazê-las ver e ouvir por aí. Mas, se os meios de comunicação e expressão “tradicionais” ignoram tais mensagens, convenhamos, deve haver poucos lugares melhores para elas que os mesmos muros erigidos por toda a cidade para separar e excluir…

“Vândalo!”, esbravejam alguns. “Genial!”, riem-se outros. Para o desespero daqueles, muitos dos graffitis de Banksy conquistam apoio popular e, não raro, geram mobilização para que a tinta branca e higiênica não os censure.

O campo de batalha de Banksy é amplo. O que começou como brincadeira rendeu toda uma série de “obras-primas vandalizadas”, e, pra num ficar barato, inseridas em alguns dos mais importantes museus do mundo. Muitas passaram despercebidas por dias… Tudo devidamente registrado em vídeo, disponível no sítio http://www.banksy.co.uk. Em alguns casos, como do Tate Museum de Londres, as obras foram incorporadas ao acervo. Terá saído o tiro pela culatra?

É possível, sim, encontrar (e comprar a preços módicos) “Banksys” em galerias alternativas, em suas poucas exposições relâmpago. Mas só se você não tiver problemas em dividir a sala com duas centenas de ratos vivos e soltos (rola uma identificação especial com estes bichos subterrâneos, hehe). Ah, claro, as famosas casas de leilão britânicas conseguem fazer um dinheiro extra às suas custas. “Não acredito que vocês, seus idiotas, ainda comprem esta merda”, respondeu na capa de seu sítio.

Não ter um rosto, como Banksy, a mim demonstra coerência. Ficam as imagens que realmente interessam. Afinal, imagens, idéias e atitudes podem ser muito mais perigosas que as armas de fogo.

para saber e ver mais:

www.banksy.co.uk

www.aots.co.uk

(todas as imagens foram publicadas originalmente nestes endereços)

*tudo começou no zoo de Londres. o cara invadiu a área dos elefantes e grafitou num balão tipo pensamento de quadrinhos:

“eu quero sair daqui. este lugar é muito frio. cheira mal. chato, chato, chato”

(estas duas) são do muro que Israel insiste em erguer na cisjordânia (Palestina).





No Responses Yet to “pelos muros mundo afora”

  1. Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: